10 Dicas para Terminar seu Livro

Você já se deu conta que, mais difícil do que começar um livro, é terminá-lo?

Muita gente não sabe como começar a escrever. Uma parcela dos que começam, acaba abandonando o livro por absoluta falta de atitude. Outros se perdem com distrações que acabam comprometendo a produtividade. Neste artigo, quero te ajudar a colocar um ponto final nestas limitações.


Costumo dizer que talento e imaginação não servem para nada se você não se senta – diante do computador, da máquina de escrever, do papel – e escreve.

Sei também que muita gente não sabe lidar com o tempo e prefere, ao invés de escrever, conjugar os verbos entreter, espreguiçar e procrastinar. Por esta razão, preparei algumas dicas para contribuir para que mais livros saiam das gavetas e das cabeças e cheguem até as mãos de mais de leitores, ávidos por novas histórias e experiências.

1. Siga seu Estilo

O pior erro de quem escreve é tentar copiar o estilo de outro escritor. Chega uma hora em que as coisas empacam e o “santo” do inspirador não baixa nunca mais. O escritor e dramaturgo francês Jules Renard, apesar da amargura, compôs uma frase que liberta os adeptos desta prática nefasta: “Estilo é esquecer todos os estilos”. Bruce Lee também lutava contra estilos – no caso, estilos de Kung Fu – pois os julgava leis que dividiam e não somavam. Crie seu próprio estilo, converse com o leitor e lembre-se: estilo, como tecnologia, é um meio. Foque no fim.

2. Use bem o Tempo

Um dos piores problemas da era da informação é, justamente, o excesso dela. As pessoas sempre acham que precisam aprender mais um pouquinho, se inspirar mais um pouquinho, descansar mais um pouquinho. Com isto, o tempo escorre pelo relógio e amanhã, em um segundo, vira ontem. Quando estiver empenhado na escrita do seu livro, deixe a leitura, os cursos e outros recursos de lado por um tempo. Infelizmente, além de não termos uma tecla de stand-by, adoramos corromper o “Carpe Diem!”.  Neste caso, é preciso disciplina mesmo.

como-escrever-autoajuda-livros-que-vendem

3. Planeje

Imagine um arquiteto que começa a construir uma casa sem planta, sem uma guia de onde colocar o primeiro e o último tijolo, a lista de materiais que vai utilizar na construção, sem pensar no acabamento que trará beleza à obra. Alguns podem até ter sorte, mas a grande maioria terá que lidar com os destroços da casa caída. Analise os modelos dos mestres – eles vendem bem mais do que os filmes iranianos alternativos sem pé, nem cabeça. Veja bem: nada contra filmes iranianos. Você não precisa ser adepto do blockbuster explosivo, apenas levar em conta que arquétipos existem. Culpe Jung. Você pode me falar dos jardineiros, que não planejam muito, e criam belos jardins. São raros e duvido que não considerem uma pá de planejamento. Pelo menos para saber o local das azaléias e o local das lobélias, as que precisam de sombra, as que precisam de sol.

4. Agende!

De que adianta uma ideia espetacular se ela não sai da sua cabeça? A grande maioria das ideias morre por falta de execução, de um plano que as descarregue do plano metafísico para o físico. Para isto, nada melhor do que uma agenda. A agenda foi a melhor invenção do homem depois da roda e da própria escrita. Sem ela, muitos planos continuariam no limbo até hoje. A menos que você estabeleça uma agenda de pesquisa, planejamento, escrita e reescrita e coloque tudo isto no seu Google Calendar ou mesmo na sua agendinha Tilibra, seu cérebro vai continuar dando voltas sem sair do lugar ou vai demorar muito mais para chegar a um lugar que poderia ter chegado bem antes.

5. Coloque-se Desafios

O ser humano adora um estímulo. Nada melhor para empurrar sua escrita – para frente e não para o lado – do que colocar desafios, públicos ou privados, e se virar nos 30 para cumpri-los. Pensando nisto, o homem tecnológico também inventou alguns softwares para contribuir para a auto incitação. O Write or Die, por exemplo, pode te ajudar de duas formas: com consequências, sua tela pode se encher de aranhas ou um gato mal-humorado vai te olhar com desaprovação se você procrastinar, ou com recompensas, belas fotos podem pipocar no seu desktop ou tablet ao cumprir a tarefa com louvor. Outros, como o WritePlan for iPad, permitem que você estabeleça um número de palavras e um deadline. Se você não cumpre, não há uma recompensa, só consequências: angustia e mais demora para ver o livro na estante ou no Kindle.

Interrupcao faz mal à saúde

6. Livre-se das Distrações

Venda sua TV! Brincadeiras a parte, nada consome mais tempo do que o entretenimento. Claro que ninguém precisa chegar ao extremo de se isolar em uma clínica de dependentes do Facebook – alguns até precisam – mas a verdade é que horas de entretenimento impactam (ou melhor, fulminam!) horas produtivas. A palavra-chave aqui também é disciplina. Estabeleça um horário para responder e-mail, acessar as últimas fofocas das novelas ou curtir a foto do amigo comendo sushi com a namorada, e estabeleça horários para escrever nos quais, nem se o Papa for tomar café na sua casa, você pare para recebê-lo.

7. Siga a Regra 80/20

Você já deve ter ouvido falar do Princípio de Pareto que afirma que para muitos fenômenos, 80% das consequências advém de 20% das causas. Siga-o e destine 20% do seu tempo para as tarefas que “causam” 80% de suas receitas. Terceirize o resto. Não perca seu tempo estudando programação para colocar seu site de autor no ar, por exemplo. Além de existirem dezenas de ferramentas, inclusive gratuitas, para isto, este é um tempo precioso no qual você poderia estar criando, o que representa maior valor de mercado, e não apertando parafuso, commodity.

Escravos do Tempo

8. Estabeleça Prazo para Tudo

Sim, olha a agenda aí de novo. Neste caso, o prazo de entrega, “a grande musa do escritor”, como bem disse o Veríssimo, máxima já citada neste blog na entrevista com o Daniel Cariello. Coloque um deadline para cada etapa: pesquisa, planejamento, escrita, reescrita, revisão, publicação, marketing e até para checar as vendas diárias. Nosso cérebro funciona muito melhor com objetivos diretos e prazos claros. O contrário invariavelmente resulta em objetivos vagos e prazos escusos.

9. Estabeleça um Compromisso

Sim, olha o desafio aí de novo. Se você não consegue estabelecer um compromisso com si próprio, faça-o com um amigo ou como aqueles fumantes que tornam público que pararam de fumar para sentir vergonha se não cumprirem. Posta lá na sua timeline: “No fim do mês termino meu novo livro. Aguardem!” e marque todos os seus amigos bons de memória.

10. Você pode atualizar, se quiser

Uma das grandes belezas da tecnologia é que ela reduziu o custo da produção do livro. Também reduziu o custo de re-produção. Antigamente, um livro escrito e impresso era definitivo até a próxima edição, um, dois anos depois ou nunca mais. Hoje, o livro pode ser alterado no ar em dois dias, caso de um e-book publicado na Amazon, por exemplo. Você não precisa se desesperar ao descobrir que uma ideia maravilhosa que chegou depois do livro publicado continuará de fora por tempo indeterminado. Basta alterar seu livro, acessar o KDP – Kindle Direct Publishing – e, voilá!, em 48 horas, no máximo, ele estará atualizado.

Go ahead, make your day!

***